quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Das críticas dos clientes ao seu trabalho e suas implicações

Ontem vi um post no Facebook de uma colega artesã, a Sandra Silva, crocheteira de mão cheia, há pelo menos uns 30 anos. Neste post ela contava sobre o ocorrido no dia anterior, quando uma cliente, ao receber a encomenda de uma manta, feita por Sandra (CROCHETEIRA), reclamou, dizendo que a mesma tinha feito a manta em tricô (!!!!!!!!), quando ela tinha encomendado em crochê. Sandra, ainda, postou a foto da famigerada manta, e fica claro, até para quem faz crochê mais ou menos, como eu, que é crochê mesmo, e não tricô. Assim, a reclamação não procede de jeito algum, mas Sandra, indignada com razão, postou na rede social a tal história, que deixou pasmas não só eu, mas tantas outras que se manifestaram.



Desconheço os pormenores da negociação; não sei como ocorreram a transação financeira x envio do produto, mas uma coisa sei: é muita falta de noção. Tal episódio vem abrir uma velha discussão: "o cliente sempre tem razão"? NÃO!

Claro, como cliente, temos o direito assegurado por lei, de devolução/troca em caso de recebimento de produto inadequado, em não-conformidade com aquilo que tratou/encomendou. Se estivesse mal-feito, de cor diferente da tratada, tamanho inadequado, suja, tudo isso justifica a devolução do dinheiro, sem discussão. É preciso ainda, respeitar o momento do cliente: todos estamos tentando manter a cabeça fora d'água, e assim, cancelar a encomenda por não querer gastar aquele dinheiro no momento é razoável, e totalmente justificável - imprevistos acontecem a todos, e não estamos em posição de julgar.

 Mas vejam, a reclamação aqui é, por si só, absurda: a manta recebida (foto) foi feita em tricô, e não em crochê. Ora, por favor, eu consigo ver os pontos altos, característicos do crochê, daqui da minha cadeira no computador, formando o famoso ponto leque (até eu conheço), e a cidadã vem dizer que isso não é crochê?  segundo Sandra, bateram boca por email ou mensagem, e ao final, Sandra a mandou vender a manta, já que não a agradava - e de jeito algum devolveu o dinheiro, pois afinal, entregou o que foi contratado. E eu, meus queridos, teria feito a mesmíssima coisa.

Depois de mais de 30 anos (caso de Sandra) fazendo artesanato, fica meio difícil aguentar desculpas estapafúrdias para não querer ficar com o trabalho; ainda que perder o cliente seja impensável em dias atuais, é preciso pensar na relação custo/benefício: vale a pena? Ontem, ainda, uma colega de trabalho e estudante de Direito, me disse que de acordo com o Código do Consumidor, este pode devolver o produto, por qualquer razão, em um prazo máximo de 7 dias, com direito a devolução do dinheiro. Quer dizer que se o cliente em questão quiser dar uma de louco e alegar que crochê é tricô, então tem que devolver o dinheiro, simples assim?

Desculpem-me, mas em artesanato não funciona deste jeito, sobretudo em peças encomendadas. Um artesão que passa, por exemplo, semanas trabalhando em uma peça, não pode ter seu trabalho devolvido por qualquer razão, porque SIM. Isso não deve existir em quaquer segmento comercial, aliás - minha opinião. Pior do que isso, é a repercussão do processo, que infelizmente respinga no nome do artesão e dificulta sua vida profissional. Quem tem que viver das vendas sabe o quanto isso pode ser prejudicial.

Mas porque falar sobre crochê em um blog de tecelagem? por uma razão simples: afeta a todos nós. Aconteceu com a Sandra, poderia ter sido eu, ou você. Assim, é interessante discutir estes casos, para estabelecer os limites: até que ponto o cliente, aquele que paga/pagou por seu serviço, está em seu direito de reclamar ou criticar seu trabalho? e até que ponto você deve se manifestar contra as críticas?

Como artesã, coloco-me em um lugar onde ninguém tem que gostar do que faço; como qualquer ser humano, não gosto de críticas, mesmo aquelas que vem da mais boa vontade em ajudar. Mas, também como ser humano, aprendi a aceitar as críticas, desde que tenham um mínimo de embasamento - quem critica deve justificar seu ato, e de preferência, deve dar uma solução melhor. Se a pessoa está certa, acato com o respeito devido, de quem está em constante aprendizado, como deve ser. Mas se não está...

Assim, fica o dica: crochê NÃO é tricô, e qualquer desculpa esfarrapada não é suficiente para cancelar um negócio, ainda que a lei esteja do seu lado. Vamos batalhar por mais senso crítico entre as pessoas.

Até a próxima!


15 comentários:

  1. Amada linda é assim mesmo sempre corremos o risco de achar alguém que fala mal! é crochê sim e está linda a manta! eu faço crochê e está bem feitinho! é isto ai tem que mostrar este absurdo que acontece com nos artesãs, parabéns pelo post! beijinhossssssssssss

    ResponderExcluir
  2. É muito chato e injusto quando acontecem essas coisas com as profissionais do crochê, a artesã em o maior trabalho pra fazer aquela peça e depois ficam difamando a pessoa, sempre tem gente falando mal querendo acabar com o trabalho do próximo, Claudia bjs.

    ResponderExcluir
  3. Cláudia, que situação ein?! Eu não sei distinguir um de outro, já que não é algo que eu tenha conhecimento, agora, a pessoa que encomendou deve ter feito essa encomenda com base em alguma referência não? Ela tem que ter certeza do que está reclamando. Concordo com a Sandra e faria o mesmo se estivesse no lugar dela. Se não há nada de errado com o produto não tem que devolver dinheiro nenhum mesmo. Realmente, precisasse de mais senso crítico e diria mais, precisamos mais de empatia também.

    Bjokas da Vaci :*

    ResponderExcluir
  4. Que situação triste ;| mas infelizmente tem gente sem noção e que gosta de falar mal e denegrir as outras, mas o que vale é quem realmente conhece o trabalho dela e a respeita. E a respeito de devolver o dinheiro, só se realmente fosse algo com defeito ou coisa do tipo, não so porque essa pessoa quer da uma de doida ¬¬

    Beijo flor

    ResponderExcluir
  5. Que situação chata! um trabalho tão lindo...
    Infelizmente têm pessoas assim .
    Imagino o quanto você ficou tristinha e chateada e uma coisa é certa viu, o Cliente "NEM" sempre têm razão., mais... fica bem .

    ResponderExcluir
  6. Infelizmente têm pessoas assim, pessoas assim devem ser deixadas de lado o que realmente importa são as pessoas que gostam e conhecem o trabalho lindo .

    ResponderExcluir
  7. Quando trabalhamos com pessoas é assim, as vezes me deparo com coisas parecidas. Exemplo você deve ter visto nos blog que trabalho também com noivinhos. Como faço? A todo a passo que dou falo com o cliente mesmo depois de tudo combinado, assim ele pode ou não mudar algo quando quiser e que não altere o valor, ele aprova ou não a cor posição tamanho e tudo para isso não ocorrer, mesmo assim tem cliente que depois de tudo isso combinações confirmações e autorizações quer mudar, na politica do CMS esta "depois que a peça estiver pronta e quer mudar, tem alteração de valor". Acho isso uma questão de má fé do cliente sabe, faz uma politica de pedidos como eu fiz com suas regras ajuda muito!

    ResponderExcluir
  8. Amiga faço minha,as suas palavras.Concordo com você,passei por situação semelhante.A cliente escolheu,modelo,cor,tamanho e quantidade de algumas peças que faço.Fiz e enviei muito antes do combinado.E ela disse que infelizmente não serviriam,pois o tamanho era pequeno e a cor não combinava com o que ela iria fazer,sendo assim queria que eu trocasse por outra mercadoria.Eu reenviei para ela o pedido que ela confirmou ser aquele mesmo porém ela se enganou.Expliquei que eram peças feitas para ela,não poderia trocar,sem implicar em novos gastos de material,tempo e correios.Ela aceitou mas disse que nunca mais compra comigo pois outras artesãs trocariam,segundo ela,fiquei muito chateada gente.É falta de respeito pelo trabalho alheio mesmo.Parabéns amiga pela postagem,muito abrangente.bjus.

    ResponderExcluir
  9. Estas pessoas reclama de barriga cheia trabalho artesanal não é facil.

    beijinhos

    ResponderExcluir
  10. O povo e muito dificil, imagino o tanto q Sandra ficou incomodada tb ficaria, e e muito ruim, cliente acha q pode tdo... ja aconteceu coisa pior comigo com cliente, mas Sandra tb conheco pouco de croche, mas seu trabalho ta lindo e perfeito, repara nessas pessoas nao sao pobre de espiritos.. bjs e sucesso
    www.karinapadilha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Amiga , eu vi quando a Sandra postou no face o desapontamento com a cliente que não sabe distinguir uma agulha de um alfinete e com certeza o cliente nem sempre tem razão ... nós artesãs sabemos o quanto nosso trabalho é desvalorizado mas , juntas somos mais fortes ! Bjs.

    ResponderExcluir
  12. achei lindo e delicado o trabalho, e super chato o que aconteceu com a artesã, concordo que o trabalho de vcs é bem trabalhoso e deveria ter tratamento diferenciado com relação ao cliente. chato mesmo, mas com a qualidade do trabalho dela com certeza não vai afetar o nome já conquistado na área. bjs

    ResponderExcluir
  13. As pessoas arrumam desculpas pra tudo hoje em dia, e o trabalho ficou tão perfeito que a criatura não soube diferenciar o crochê do tricô. Como você não sei o que houve, mas é notório que das duas uma, ou a pessoa ignora o que seja tricô e crochê, não saiba diferenciar um do outro, ou é do tipo que gosta de passar a pena nos outros ...
    Infelizmente está cheio de pessoas assim nesse mundo!

    Bjos
    Minda ❤ 😍

    ResponderExcluir
  14. Uma lástima saber que existem pessoas que não tendo a capacidade que outros tem, ao invés de querer aprender, apenas tentam esculachar os outros
    Não devemos ligar e sim continuar nosso caminho em busca de sempre aperfeiçoar
    Parabéns pelo seu trabalho e sucesso ainda mais

    Beijos
    Rafael

    ResponderExcluir
  15. Olá,amiga!!
    Muito triste esse episódio.
    Nem sempre o cliente tem razão.
    No mundo em que vivemos, pessoas como essa são mais comuns do que se pensa.Tremenda falta de respeito com uma profissional.Desejo muito sucesso para você amiga!! Bjsssssss

    ResponderExcluir