sábado, 19 de janeiro de 2013

Tapete em sisal e algodão



Sempre gostei de trabalhar com o sisal. Fibra dura, ao mesmo tempo maleável, tem seu próprio ritmo, e o tempo me mostrou que não adianta lutar contra sua natureza - ao contrário do algodão, que estica, encolhe, e se dobra às nossas vontades, o sisal tem vontade própria, e não se deixa levar. Mas, quando achamos o ponto certo da trama, esta fibra nos traz uma satisfação única, e gera trabalhos belos e rústicos, como este tapete que acabei para um cliente, feito em um tear de pente liço 80 cm. Para esta peça, aliei a maciez do algodão, na forma de barbante colorido 4/4 (na urdidura), com a firmeza do sisal colorido, em tons de marrom, com uns toques de coral ao longo da trama. Para dar firmeza às laterais, com sisal e agulha de crochê (e muita paciência...já expliquei, o sisal só faz o que quer...), passei o pesponto em ambos os lados. Para completar, franjas torcidas de algodão. Agora, só na torcida para agradar...

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Pickup para relaxar...



Este trabalho está sendo feito em um tear de pente liço de 40 cm, com um pente 3:1 - 3 fios/cm, com barbantes 4/4. Resolvi testar dois tons de marrom que dessem bastante contraste entre si, e assim fiquei com o marrom escuro e o ferrugem, dando um efeito chamado em inglês "color-and-weave", que se refere à simples composição de cores sem grandes preocupações com a padronagem, somente trabalhando a beleza do tecido em cima das cores escolhidas. Neste caso específico, resolvi adicionar ainda a técnica de "pickup", ou seja, com uma navete ou régua, por trás do pente, escolhe-se alguns fios que estão nas fendas, e que são erguidos durante a confecção do tecido, trazendo a navete para perto do pente - isso faz com que    alguns fios sejam erguidos, quando deveriam estar abaixados, por exemplo, ou ainda, faz com sejam abaixados quando deveriam estar erguidos. Deste modo simples, cria-se um padrão bastante interessante, que transforma o ponto tela em algo a mais.