sexta-feira, 30 de março de 2018

Shadow weave - método Powell





Na semana passada conversamos sobre shadow weave, e então mostrei como pode ser feita pelo método mais antigo, de Mary Meigs Atwater. Hoje venho conversar também sobre shadow weave, mas agora por outro método, de Marian Powell, que em 1976 propôs uma variação do tie-up (amarração), que leva aos mesmos resultados de Atwater, mas por uma via diferente.

Para podermos entender o método Powell, precisamos primeiramente entender a base. Sabemos que uma estrutura twill qualquer segue comumente uma sequências de pisadas: 1,2; 2,3; 3;4; 1,4. Dependendo da liçagem, teremos desenhos diferentes com a mesma estrutura básica:



O fato é que é possível reproduzir estas padronagens, modificando ligeiramente a liçagem e o tie-up:



Note que, agora, a sequência de liçagem modificou-se: ao invés do tradicional 1,2,3,4, é possível liçar 1,3,2,4. Modificando o tie-up para 1,3; 2;4; 2,3; 1,4, e mantendo a mesma ordem da liçagem na trama, o mesmo desenho pode ser obtido. O que ocorre, agora, é que os quadros complementares são 1 e 2, 3 e 4, enquanto que 1,3; 2,4 são opostos, o contrário do que ocorre no método tradicional. Vale reafirmar que quadros complementares são aqueles que produzem ponto tela.

Marion Powell, então, propôs o sombreamento baseado nesta variação. Veja:


Cada fio está acompanhado por sua sombra. Veja que a sombra é sempre o complementar, assim 1- 2; 3-4.


Os pontos marcados em vermelho são a sombra. Confesso que demorei um pouco para entender o processo, mas aí vai: 



A numeração acima indica a ordem dos quadros como são dispostos no gráfico.  A flecha vermelha indica a ordem de leitura.
O primeiro fio do quadro 1 será acompanhado pela sombra no quadro 2, como mostra o esquema acima. Note que essa ação "some" com o fio do quadro 2 original, pois não há como os dois ocuparem o mesmo quadro lado a lado. O fio do quadro 3 tem sua sombra no quadro 4, o que faz a mesma coisa com o fio original neste quadro. Resolvidas estas sombras, é hora de recolocar o fio original do quadro 2, e sua sombra, que vai ocupar o quadro 1. O mesmo terá que acontecer com o fio original do quadro 4, que terá sua sombra no quadro 3. 

Agora, o desenho vai espelhar. Assim, é preciso repetir o fio original no quadro 4, e a sombra anterior também o servirá no desenho. Agora, deve-se repetir o que foi feito no outro lado, invertendo a ordem dos fios: agora, a sombra (quadro 1)vem primeiro, seguido pelo seu original, quadro 2; sombra quadro 4, seguido pelo original no quadro 3, sombra no quadro 2, seguido pelo original no quadro 1. E assim, o desenho segue, e deve ficar igual ao método Atwater, já apresentado no post anterior:



ATWATER
 
                                                                                                    POWELL


 Trata-se, penso eu de uma questão de gosto. O método de Powell é considerado "queridinho" porque facilita a ordem da liçagem, mas pode levar a erros mais facilmente do que o método de Atwater, se o tecelão não compreender exatamente onde as sombras se encaixam. O método de Atwater dificulta um pouco a sequência da liçagem, mas o sombreamento é um  pouco mais intuitivo, uma vez que trata dos pares de quadros que são mais utilizados normalmente. Assim, deixo aqui os métodos para sua análise e comparação, e compartilhe seus resultados, se desejar!


Até a próxima!





















domingo, 25 de março de 2018

Shadow weave - demorou, mas consegui!

Sempre fui fascinada por uma técnica chamada "shadow weave". Em uma tradução mais informal, o nome refere-se à "sombra" de um desenho que pode ser reproduzida no tear. Assim, dependendo da padronagem, é possivel ter efeitos de "3-D", por conta da sombra. Na verdade, trata-se de uma jogada claro-escuro, com fios liçados e tramados de maneira alternada, de maneira parecida com o que se faz no padrão esteirinha, facilmente reproduzido em qualquer tipo de tear:

Resultado de imagem para log cabin weaving draft


Fonte: Weavolution


"Shadow weave" destaca um pouco mais o aspecto sombreado, e uma vez que é feito em teares de 4 ou mais quadros, leva à execução de quaisquer desenhos feitos na estrutura twill  ( 1,2; 2,3; 3,4; 2,4)
Também é curioso apontar que a "sombra" é feita com o fio claro, e não com o escuro, como poderíamos pensar.

Mary Meigs Atwater, americana, foi a primeira tecelã a desenvolver a padronagem, em 1942. Seu método, conhecido como o Método Atwater,  consiste em liçar os fios, de cores alternadas, usando quadros complementares (1 e 2 recebem fios escuros, enquanto que 3 e 4 recebem fios claros. Quadros 1 e 3 são complementares, assim como 2 e 4). A liçagem, no entanto, deve ser feita com cuidado, com cada fio sendo acompanhado por sua sombra. Mais à frente, explicarei com mais detalhes.


Vejam que a trama sempre acompanha a liçagem, o que em inglês se chama "as drawn-in", e as cores podem ser passadas de maneira inversa à liçagem, ou na mesma ordem, dependendo do desenho desejado. Assim, se o primeiro fio da liçagem, por exemplo, for preto (gráfico abaixo), o primeiro fio da trama deve ser preto, e assim por diante, alternando as duas cores. Vale a pena lembrar (já disse aqui em vários posts, mas nunca é demais), que gráficos de padrão americano são lidos da direita para a esquerda, e de cima para baixo.


Resultado de imagem para shadow weave atwater method 4 shaft

Fonte: Pinterest


Veja só as diferenças de um twill comum para shadow weave:

 twill tecido de maneira normal, claro na liçagem e escuro na trama


 mesmo desenho, em forma de shadow weave



Note que a liçagem parece bastante diferente do original. Isso acontece porque cada fio do urdume deve vir acompanhado de sua sombra: 1(original azul) - 3 (sombra - branco); 2(original azul) - 4 (sombra -branco). 


Para começar, coloque no gráfico somente os fios originais, deixando sempre um espaço entre eles:


 Para que a sombra fique sempre do lado certo em um desenho espelhado como esse, é preciso duplicar os fios onde o desenho faz uma ponta, em cima. A sombra, nessa região, servirá aos dois fios no mesmo quadro:



A sombra aqui está marcada com pontos vermelhos. Note como ela acompanha o original, sempre complementando: 1-3; 2-4

Feito isso, basta repetir exatamente o que está na liçagem, na trama, conforme o gráfico acima. Escolha duas cores contrastantes, para que a sombra possa se diferenciar, e procure optar por uma cor clara e uma escura. Isso não é uma regra, mas ajuda. 

Esse aqui é o meu experimento:

A partir de um gráfico simples em M e W, que infelizmente não tenho aqui, parti para colocar a sombra em verde claro. O resultado está em andamento:



No próximo post, mais shadow weave, agora pelo método Powell, um jeito diferente de conseguir o mesmo resultado. Até a próxima!






sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Loja no ar!

Muito bem, meu povo, cá estou passando rápido, como sempre, para comunicar a abertura da loja (finalmente) no Elo7. Que jornada tem sido minha vida, com tantas reviravoltas. Cheia de coisas para fazer, resolvi ainda tentar deixar a loja no jeito, afinal, tinha algumas coisas para vender, e como sempre, idéias, idéias...
Só queria que desse tempo de tudo. Mas, vamos lá.

Loja aberta, convido vocês a conhecer tudo o que tem lá, como gosto de dizer, as idéias que saem da minha cabeça. Assim, fica aqui o link pra quem quer chegar lá:

https://www.elo7.com.br/univemtramas/loja

No mais, vamos seguindo.

Abraços a todos, e espero vocês!

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Pesquisa de opinião





Olá, povo tecelão, e feliz 2018! vamos começar com uma pesquisa?

Peço que acessem o video acima, e cliquem na pergunta que aparecerá no alto, à direita. Faz parte das comemorações de 10 anos de tecelagem da Universo em Tramas. Uma história muito bacana, que me deixa feliz a cada dia, que me faz aprender coisas novas - destravar novos poderes. Por causa da tecelagem, perdi o medo da máquina de costura (rs), e já consigo usar meus tecidos para as famigeradas "bolsinhas da vovó" (rs x3). Aprendi a fazer meias no tear circular (obrigada, Márcia Ester!!!), e fiz boas e consistentes amizades ao longo de todos esses anos. Fazer com as próprias mãos é mágico e poderoso - que tal em 2018 você aprender uma atividade nova?



Um abraço, e já agradeço sua participação!






sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

O tempo voou

E, de repente, Dezembro dá suas caras, e como sempre, só percebo isso a hora que noto as movimentações de Natal. Vi que tem uns bons meses que não apareço, e claro, a falta de tempo para tudo, aliada a um permanente cansaço, foram determinantes para sumir daqui. Bem, agora cá estou, já pronta para desejar Boas Festas, pronta para um bom descanso, pronta para as férias que pareciam nunca chegar. Tantas coisas foram diferentes neste ano, boas e ruins, e agora que o carrossel maluco começa a desacelerar, ainda me sinto tonta, sem saber muito bem se estou devendo alguma tarefa, ou se devo aguardar mais alguma coisa nova ocorrer. No entanto, sou grata por tudo, na esperança que o próximo ano seja mais leve.

Ao longo deste ano, tomei algumas decisões com relação aos destinos de minha arte, que acabou, por força maior, ficando à parte de outras coisas que são mais relevantes ao momento que vivemos. Mas, de um jeito ou de outro, sempre inserida em minha vida, e na vida de outros que me acompanham já há anos. Com tristeza, mas lucidez, fechei meu espaço na loja a sua Kara, e sou agradecida pelo tempo que passei lá, pois fiz amizades importantes, e aprendi várias coisas diferentes. Ao mesmo tempo, uma nova parceria se inseriu de maneira modesta, mas consistente, e que de maneira inusitada e maravilhosa, me faz colocar em prática idéias malucas nas quais posso inserir a tecelagem. Começamos com cachecóis (lembram da aventura? está descrita aqui em alguns posts), passamos a tapetes, almofadas, caderninhos...e praticamente tudo o que é posto à mesa da Pri Souza, é degustado rapidamente, sem reservas. Tem sido uma delícia participar de sua própria aventura pessoal frente ao Vilarejo Maria Fiandeira, ao qual desejo nada menos do que vida longa e muito, mas muito sucesso.

As idéias para um curso online de tecelagem ainda estão em alta, mas somente agora, com essa pausa, será possível organizar devidamente gravações, edições, plataforma de ensino, etc. Ainda preciso me especializar nas famosas "lives", antes de sair cobrando por aí. Mas em 2018, a coisa vai engrenar finalmente, e espero fazer justiça às expectativas dos "fãs".

Continuo lecionando, e esperando o que mais vai ocorrer de novidades no setor. Somente quando o novo ano surgir, é que poderei saber com certeza como as coisas ocorrerão. Lecionar é parte de mim, e o será pelo resto da vida, disso tenho certeza.

E assim me despedindo por ora, deixo aqui o mais importante: o aviso de uma nova aula no canal. Como uma pré-estréia, é uma aula completa, simples, mas que vai além do que tenho feito normalmente. Espero que apreciem e deixem seus comentários.


Abraços a todos, e até o próximo ano, com mais tecelagem!

sábado, 2 de setembro de 2017

Pequena enquete - nova aula no canal

Naturalmente perceberam que o mês de agosto passou em brancas nuvens por aqui. Lógico, as aulas voltaram, e com elas compromissos acadêmicos inadiáveis. Mas agora, em pleno Setembro, as águas começam a baixar e posso retomar atividades superprazeirosas, que, além de tecer, envolvem ensinar a tecer. Quem acompanha o canal no YouTube sabe que há algumas aulinhas lá, coisa simples, mas que foram caindo no gosto da galera tecelã, e agora, após tanto tempo, preparo-me para um salto além - comercialização de aulas online. Para tanto, preciso do seu retorno, saber seus desejos/necessidades, e para isso, vou lançar mais uma aula, gratuita, lá no meu canal, mas agora quero saber de você - o que quer aprender? o que acha que posso te ensinar? clique no link a seguir e responda o formulário - uma pergunta só, que vai te tomar uns segundos somente - e diga-me: o que quer ver?

https://docs.google.com/forms/d/1mthf4w_B8OWrzSU8orZOY2VsuXWPlTeRYZqWtOK97Ao/edit?usp=sharing

Espero todos vocês!

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Como misturar cores ( e não ficar furiosa com o resultado) - por Tien Chiu

Tien Chiu é uma tecelã de ascendência chinesa, mas que vive nos Estados Unidos (acho que é de fato americana), e que tem um website recentemente lançado, muito interessante para quem quer aprender ou aprimorar a utilização da mistura de cores na execução de peças tecidas à mão. Pessoalmente, acho que vale para qualquer arte onde cores diferentes sejam utilizadas. Sendo assim, posto aqui o link para o site e o assunto em questão, mas vale a pena dar uma olhada no geral: muitas coisas interessantes, além de um pequeno e-book, que pode ser baixado de graça.


          https://www.warpandweave.com/bright-colors-weaving-into-mud-fix-it/#comment-289




Até a próxima!